Seu Portal de Notícias de Rondônia

Segunda-feira, 27 de Maio de 2024
King Pizzaria & Choperia
King Pizzaria & Choperia

Mundo

Alemanha diz que intervirá por Israel em julgamento em Haia

Tel Aviv é julgada por Corte Internacional de Justiça pelo crime de “genocídio”; denúncia foi apresentada pela África do Sul.

José Alberto França de Lima
Por José Alberto França de Lima
Alemanha diz que intervirá por Israel em julgamento em Haia
REDAÇÃO
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Corte Internacional de Justiça

Na imagem, a Corte Internacional de Justiça realiza o o 2º dia de audiência pública sobre a acusação feita pela África do Sul de que Israel teria participado de "atos de genocídio contra o povo palestino em Gaza.

O governo da Alemanha emitiu comunicado nesta 6ª feira (12.jan.2024) rejeitando a acusação de “genocídio” feita pela África do Sul contra Israel perante a CIJ (Corte Internacional de Justiça).

Publicidade

Leia Também:

Em nota, o porta-voz do país, Stefen Hebestreiot, diz que a denúncia “não tem qualquer fundamento” e que a Alemanha irá intervir para defender Israel.

“O governo federal rejeita firme e expressamente a acusação de genocídio que agora foi feita contra Israel no Tribunal Internacional de Justiça. Esta acusação não tem qualquer fundamento”, declarou Hebestreiot.

Nesta 6ª feira (12.jan), o CIJ realizou o 2º dia de audiência pública para analisar a acusação feita pela África do Sul de que Israel teria participado de “atos de genocídio contra o povo palestino em Gaza”.

A Alemanha declara que “Israel tem se defendido contra o ataque desumano do Hamas” e que, por isso, a acusação da África do Sul não tem fundamento. O país europeu se considera “particularmente empenhado na Convenção contra o Genocídio por conta da história alemã no Holocausto”.

A Convenção da Prevenção e Punição do Crime de Genocídio é um tratado de direitos humanos adotado pela Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas). Criado logo depois da 2ª Guerra Mundial, depois do Holocausto, o tratado representa o compromisso da comunidade internacional em garantir que crimes de genocídio não se repitam.

Segundo a ONU, os 19 artigos do compromisso estipulam o dever dos 153 Estados que ratificaram ou aderiram à Convenção de prevenir e punir o crime de genocídio.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, conversou com o chanceler alemão, Olaf Scholz, e agradeceu pela decisão de Berlim. “A sua posição ao lado da verdade comovem todos os cidadãos de Israel”, disse o premiê israelense. A informação é do jornal Times of Israel.

Leia a íntegra do comunicado do governo alemão:

“Em 7 de outubro de 2023, terroristas do Hamas atacaram brutalmente, torturaram, mataram e sequestraram pessoas inocentes em Israel. O objetivo do Hamas é acabar com Israel. Desde então, Israel tem se defendido contra o ataque desumano do Hamas.

“Tendo em conta a história da Alemanha e o crime contra a humanidade da Shoah, o governo federal se considera particularmente empenhado na Convenção contra o Genocídio. Esta convenção é um instrumento central do direito internacional para implementar o ‘nunca mais’. Opomo-nos firmemente à instrumentalização política.

“Sabemos que diferentes países avaliam a operação de Israel em Gaza de forma diferente. No entanto, o governo federal rejeita firme e expressamente a acusação de genocídio que agora foi feita contra Israel no Tribunal Internacional de Justiça. Esta acusação não tem qualquer fundamento.

“O governo federal apoia o Tribunal Internacional de Justiça, como tem feito há muitas décadas. O governo federal pretende intervir como terceiro na audiência principal”.


 

 

 

 

 

 

 

 



.

 

FONTE/CRÉDITOS: PODER360
Comentários:
King Pizzaria & Choperia
King Pizzaria & Choperia
King Pizzaria & Choperia
King Pizzaria & Choperia

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!