Seu Portal de Notícias de Rondônia

Quarta-feira, 22 de Maio de 2024
King Pizzaria & Choperia
King Pizzaria & Choperia

Mundo

“Bala perfurou porta e caiu do nosso lado”, diz brasileiro retirado do Haiti

País mais pobre das Américas está mergulhado em uma grave crise de violência, que tem feito países retirarem cidadãos às pressas

Alice da silva
Por Alice da silva
“Bala perfurou porta e caiu do nosso lado”, diz brasileiro retirado do Haiti
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

José Leonildo Pereira participava de missão religiosa no Haiti, mas teve que deixar paísJosé Leonildo Pereira participava de missão religiosa no Haiti, mas teve que deixar paísArquivo Pessoal

Tiroteios praticamente todos os dias, falta de água e comida praticamente no fim. Este era o cenário da vida no Haiti, segundo um dos sete brasileiros retirados do país caribenho, em dois helicópteros, nesta quarta-feira (10).

“A gente se assustou em várias situações. Estávamos no trabalho e uma bala passou bem perto de nós, perfurou a porta e caiu do nosso lado. Os tiroteios eram quase diários”, contou à CNN o cearense José Leonildo Pereira, de 51 anos.

Publicidade

Leia Também:

Pereira conversou com a CNN durante o trajeto de cerca de cinco horas de ônibus entre a cidade Jimaní, já do lado da fronteira da República Dominicana com Haiti, até a capital dominicana São Domingos.

O cearense estava trabalhando como voluntário com uma missão religiosa no Haiti há três meses. Ele conta que foi ao país caribenho ciente dos perigos, mas como já havia risco de viver em situações extremas, optou por deixar o país.

A água, que chegava em caminhões-pipa começou a faltar, e a comida já estava a ponto de acabar. Hospitais da cidade foram saqueados, após gangues tomarem conta da capital.

Os grupos armados incendiaram veículos e moradias, e controlam as ruas. Após ataques, o Aeroporto Internacional Toussaint Louverture e o porto foram fechados. As estradas que levam a capital Porto Príncipe também estão bloqueadas.

O país, que já era o mais pobre das Américas, agora deixou de ser abastecido e, sem nenhuma rota aberta de entrada e saída, deposita esperanças na chegada de ajuda humanitária por helicóptero.

“A situação está bem triste”, relatou Pereira sobre o agravamento da situação. As gangues pressionaram pela renúncia do premiê Ariel Henry, que acabou deixando o poder a meados de março, mas a violência continua.

A Comunidade do Caribe (Caricom) anunciou um acordo para a criação de um conselho de transição com representantes de diferentes movimentos políticos, mas o país segue sem liderança.

Comentários:
King Pizzaria & Choperia
King Pizzaria & Choperia
King Pizzaria & Choperia
King Pizzaria & Choperia

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!