Seu Portal de Notícias de Rondônia

Sexta-feira, 14 de Junho de 2024
King Pizzaria & Choperia
King Pizzaria & Choperia

Ciência & Tecnologia

Bilionário prepara maior usina de energia limpa do mundo, cinco vezes o tamanho de Paris

Projeto com uma ampla usina de energia solar e eólica está sendo construído na Índia com custos de US$ 20 bilhões

Anderson Luiz Chaves
Por Anderson Luiz Chaves
Bilionário prepara maior usina de energia limpa do mundo, cinco vezes o tamanho de Paris
REUTERS/David Moir
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Usinas eólicas e torre de transmissão de energiaUsinas eólicas e torre de transmissão de energiaREUTERS/David Moir

 

Cinco vezes o tamanho de Paris e visível do espaço: a maior usina de energia do mundo está em construção e quer fornecer eletricidade que seria suficiente para abastecer a Suíça.

Sua unidade de energia limpa, a AGEL, está construindo uma ampla usina de energia solar e eólica no estado de Gujarat, no oeste da Índia, a um custo de cerca de US$ 20 bilhões.

Será o maior parque renovável do mundo quando estiver concluído, em cerca de cinco anos, e deverá gerar eletricidade limpa suficiente para abastecer 16 milhões de residências indianas.

O sucesso do Parque de Energia Renovável de Khavda é fundamental para os esforços da Índia de reduzir a poluição e atingir suas metas climáticas, ao mesmo tempo em que atende às crescentes necessidades de energia da nação mais populosa do mundo e da economia de crescimento mais rápido.

O carvão ainda é responsável por 70% da eletricidade gerada pela Índia.

Situado a apenas 12 milhas de uma das fronteiras mais perigosas do mundo, que separa a Índia e o Paquistão, o parque cobrirá mais de 200 milhas quadradas e será a maior usina de energia do planeta, independentemente da fonte de energia, disse a AGEL.

“Uma região tão grande, uma região tão livre de obstáculos, sem vida selvagem, sem vegetação, sem habitação. Não há alternativa melhor para o uso dessa terra”, afirmou Adani.

Os grandes planos verdes do grupo não foram abalados pelo ano turbulento que teve desde janeiro de 2023, quando um vendedor americano, a Hindenburg Research, acusou-o de envolvimento em fraudes durante décadas.

O conglomerado indiano de mineração e mídia denunciou o relatório da Hindenburg como “sem fundamento” e “malicioso”. Mas isso não conseguiu impedir um colapso impressionante do mercado de ações que, em determinado momento, eliminou mais de US$ 100 bilhões do valor de suas empresas listadas.

A fortuna pessoal de Gautam Adani também foi afetada, com um colapso de mais de US$ 80 bilhões no mês seguinte à divulgação do relatório.

Mas, desde então, o magnata se recuperou e o grupo agora está investindo bilhões no setor de energia limpa. Ele planeja investir US$ 100 bilhões na transição energética na próxima década, com 70% dos investimentos destinados à energia limpa.

Uma necessidade para 1,4 bilhão de pessoas

O pivô de energia limpa do Adani Group ocorre em um momento em que a Índia estabeleceu algumas metas climáticas ambiciosas.

O primeiro-ministro Narendra Modi prometeu que as fontes renováveis, como a energia solar e eólica, atenderão a 50% das necessidades energéticas da Índia até o final desta década.

Em 2021, Modi prometeu que a Índia atingiria zero emissões líquidas até 2070, o que ainda é algumas décadas mais tarde do que as economias desenvolvidas.

O governo estabeleceu uma meta de 500 gigawatts (GW) de capacidade de geração de eletricidade a partir de combustíveis não fósseis até 2030. A AGEL tem como objetivo fornecer pelo menos 9% desse valor, com quase 30 GW gerados somente em seu parque de Khavda, em Gujarat.

Deixar de fazer a transição para a energia renovável não é uma opção, disse Adani. “Não há outra opção para a Índia a não ser começar a fazer coisas em um tamanho e escala nunca antes imaginados”.

Isso porque a demanda por energia vai explodir nos próximos anos.

A Índia é o terceiro maior país consumidor de energia do mundo, embora seu uso de energia e suas emissões por pessoa sejam menos da metade da média mundial, segundo dados da Agência Internacional de Energia (AIE), sediada em Paris.

Isso pode mudar rapidamente, já que graças ao aumento da renda, a demanda de energia dobrou desde 2000, sendo que 80% dela ainda é atendida por carvão, petróleo e biomassa sólida.

Nas próximas três décadas, a economia em rápida expansão terá o maior crescimento de demanda de energia de qualquer país do mundo, segundo a AIE.

“Se a Índia fizer o que a China fez, se a Índia fizer o que a Europa fez, se a Índia fizer o que os EUA fizeram, então estaremos todos em um futuro climático muito, muito sombrio”, disse Adani, referindo-se ao uso histórico de combustíveis fósseis durante o desenvolvimento desses países.

Suas previsões não são dramáticas. A Índia está confortavelmente posicionada para crescer a uma taxa anual de pelo menos 6% nos próximos anos, dizem os analistas, e pode se tornar a terceira maior economia do mundo antes do final desta década.

À medida que o país se desenvolve e se moderniza, sua população urbana aumentará, levando a um crescimento maciço na construção de casas, escritórios, lojas e outros edifícios.

De acordo com os analistas, a Índia deverá acrescentar o equivalente a uma Londres à sua população urbana a cada ano nos próximos 30 anos.

Espera-se que a demanda por eletricidade dispare nos próximos anos devido a fatores que vão desde a melhoria dos padrões de vida até as mudanças climáticas. Essa última tem provocado ondas de calor mortais em toda a Índia e, como resultado, o uso de ar-condicionado deverá sofrer um aumento acentuado nos próximos anos.

Até 2050, a demanda total de eletricidade da Índia por condicionadores de ar residenciais deverá exceder o consumo total de energia em toda a África atualmente, informou a AIE.

Os dois lados da moeda

Os planos verdes do conglomerado são impressionantes, mas os especialistas em clima criticam seus investimentos maciços e contínuos em combustíveis fósseis.

“Gautam Adani continua a andar nos dois lados da rua”, disse Tim Buckley, diretor do grupo de reflexão Climate Energy Finance, com sede em Sydney.

O Adani Group não é apenas um dos maiores desenvolvedores e operadores de minas de carvão na Índia, mas também opera a polêmica mina de carvão Carmichael, na Austrália, que enfrentou forte oposição de ativistas da mudança climática que afirmam que ela é uma “sentença de morte” para a Grande Barreira de Corais.

“Em vez de investir bilhões em novos projetos de combustíveis fósseis, a Índia estaria muito mais bem servida se a Adani dedicasse 100% de seus esforços e recursos ao desenvolvimento de tecnologias de baixo custo e emissões zero”, acrescentou Buckley.

Adani reforçou que essa não é uma opção no momento.

Mais de 600 milhões de pessoas na Índia “passarão a ter renda média e renda alta na próxima década, década e meia (…) Elas não podem ser privadas das necessidades básicas de energia”, disse ele.

Todos ficariam felizes se pudéssemos “ter 100% dessa energia sendo fornecida por fontes sustentáveis, [mas], na prática, essa não é uma opção” no momento, acrescentou.

Ele também disse que os ativistas dos países desenvolvidos, que historicamente emitem mais gases de efeito estufa, muitas vezes não conseguem entender o enorme desafio que a Índia enfrenta para expandir sua economia e seu setor de energia limpa ao mesmo tempo.

“Acho que também é muito importante respeitar o fato de que cada país tem seu próprio direito de garantir que a população de seu próprio país seja bem atendida do ponto de vista energético”, disse Adani.

“Então, a Índia está produzindo um pouco de carvão? Sim, é claro que está. Mas a Índia está produzindo uma quantidade enorme de energia renovável? Sim, não há dúvida”, acrescentou.

 
FONTE/CRÉDITOS: Diksha Madhokda CNN
Comentários:
King Pizzaria & Choperia
King Pizzaria & Choperia
King Pizzaria & Choperia
King Pizzaria & Choperia

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!