Seu Portal de Notícias de Rondônia

Segunda-feira, 27 de Maio de 2024
King Pizzaria & Choperia
King Pizzaria & Choperia

Política

Dino quer trocar aposentadoria compulsória por demissão sem salário de juiz, militar e promotor que cometer delito grave

Senador e futuro ministro do STF irá apresentar, nesta segunda-feira, uma proposta de emenda à Constituição (PEC)

Anderson Luiz Chaves
Por Anderson Luiz Chaves
Dino quer trocar aposentadoria compulsória por demissão sem salário de juiz, militar e promotor que cometer delito grave
Roque de Sá / Agência Senado
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Roque de Sá / Agência SenadoDino disse, dias antes do retorno, que apresentaria cinco propostas legislativas e faria discursos no plenário da Casa.

 

Em breve passagem pelo Senado antes de assumir a vaga como ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Flávio Dino (PSB-MA) irá apresentar, nesta segunda-feira (19), uma proposta de emenda à Constituição (PEC) propondo o fim das aposentadorias compulsórias a juízes, promotores e militares que cometerem delitos graves. Ao invés disso, ele sugere a exclusão do serviço público.

Publicidade

Leia Também:

O texto ainda buscará colher assinaturas. Ele precisa do apoio de 27 senadores, o que equivale a um terço de todos os 81 integrantes da Casa.

— Não há razão para essa desigualdade de tratamento em relação aos demais servidores públicos que, por exemplo, praticam crimes como corrupção ou de gravidade similar — diz Dino.

Em dissertação de mestrado, em 2001, Dino se opôs à demissão para juízes por ato administrativo. "Com isso, revogar-se-ia uma das mais importantes garantias da independência da magistratura - isto é, a vitaliciedade - que se diferencia da mera estabilidade exatamente por implicar a vedação de demissão por ato administrativo", escreveu Dino. A PEC que criou o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) estabeleceu que a punição máxima aplicada pelo colegiado a um magistrado seria de aposentadoria compulsória com direito a continuar recebendo remuneração.

O agora senador deixou o ministério da Justiça no final de janeiro e voltou ao Senado no começo de janeiro. Ele disse, dias antes do retorno, que apresentaria cinco propostas legislativas e faria discursos no plenário da Casa.

No plenário do Senado, Dino criticou ações para restringir poderes da Corte. Para ele, há "falsas soluções" sendo colocadas em debate, como a defesa de impeachment de ministros do STF. Um dos projetos apresentados por ele, por sua vez, visa proibir o acampamento de pessoas em quartéis.

O último ato de Dino no Senado será na próxima terça-feira (20). Ele fará um discurso de despedida no plenário e se despedirá oficialmente da Casa na quarta-feira.

— Semana cheia de emoções boas. E, como sempre, de muito trabalho — afirma.

Dino assumirá o STF na próxima quinta-feira (22). Ele herdará a relatoria de 344 processos que estavam no gabinete da ministra aposentada Rosa Weber. Entre eles, há investigações sobre o ministro das Comunicações, Juscelino Filho, investigado pela Polícia Federal em operação baseada em reportagens do Estadão. Eles foram parceiros na Esplanada dos Ministérios.

 
 
 
FONTE/CRÉDITOS: ESTADÃO CONTEÚDO Levy Teles
Comentários:
King Pizzaria & Choperia
King Pizzaria & Choperia
King Pizzaria & Choperia
King Pizzaria & Choperia

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!